Registar agora

Receba €1000 em bônus

1° Depósito: Bônus até 100% • 2° / 3° Depósito: Bônus até €400 • Apenas para novos clientes •  Depósito Mín. €10  •  Requisito de Apostas: 70x 

Termos da Promoção

Registrar-se

Carregando sua consciência nos computadores

Você pode carregar o seu cérebro?Fonte:: Pixabay.com

O transumanismo não é uma ideia nova. A crença de que os seres humanos podem evoluir para além das limitações mentais e físicas atuais tem sido usada na ficção científica há muitos anos. A criônica, o processo de congelamento de pessoas que já morreram, também existe há algum tempo. Agora eles estão se unindo em uma nova empresa chamada Nectome.

Quão incrível seria preservar nossas mentes para sempre? Poderíamos reter memórias preciosas, como a emoção de ganhar um grande prêmio ou de segurar nossos filhos no colo pela primeira vez. Sensações como a chuva suave na pele ou o cheiro de uma flor também poderiam ser lembradas. E, claro, o conhecimento e a sabedoria dos maiores pensadores poderiam ser imortalizados. Imagine se as mentes de Einstein ou Stephen Hawking pudessem ter sido conservadas.

O exemplo de Hawking é especialmente adequado para uma discussão sobre a Nectome. A empresa, que já arrecadou US$ 1 milhão em financiamento, visa preservar cérebros. O cofundador Robert McIntyre desenvolveu um método que combina embalsamamento com a criônica. Até agora, ele e seu parceiro da Nectome, Michael McCanna, conservaram com sucesso os cérebros de um porco, de um coelho e de uma mulher idosa.

Uma abordagem tecnológica para viver para sempre

Uma vez que os cérebros tenham sido conservados com sucesso, qual é o próximo passo? Os problemas com a degradação do cérebro e do corpo são evitados pela visão principal da Nectome. Embora ainda não seja possível, McIntyre e McCanna acreditam que a tecnologia para converter a mente humana em uma simulação de computador não está longe. Daí em diante, ela poderia ser enviada para um servidor de dados e armazenada para sempre.

Nas palavras do proeminente neurocientista Ken Hayworth, “se o cérebro está morto, é como se o seu computador estivesse desligado, mas isso não significa que as informações não estão lá”. A Nectome deriva seu nome de “conectoma”, a palavra para a rede de sinapses conectando neurônios em qualquer cérebro. É isso que seus fundadores esperam ver reproduzido, carregado e compartilhado digitalmente.

Neurônios cerebrais trabalhandoFonte: Pixabay.com

Problemas com o conectoma

Muitos pensadores avançados acreditam que o carregamento da consciência humana para o armazenamento em nuvem acontecerá durante a sua vida, mas alguns ainda não estão convencidos. O conectoma de um minúsculo verme chamado Caenorhabditis elegans é conhecido há mais de 10 anos, mas ele ainda não é “carregável”. E ele apresenta apenas 7 mil sinapses; existem trilhões no cérebro humano.

Anders Sandberg, do Instituto do Futuro da Humanidade da Universidade de Oxford, acrescenta que todas as informações encontradas hoje na internet podem ser armazenadas em apenas 283 mil conectomas do cérebro humano. Além disso, o intangível sobre o que faz uma mente ou consciência humana, pode muito bem não sobreviver ao carregamento. As pessoas também estão levantando a questão filosófica se isso deveria ser feito.

Independentemente do que você acredite, o dia em que você puder carregar as memórias da sua primeira competição esportiva, seu primeiro beijo, seu casamento ou qualquer outra coisa permanece incerto. No momento, o conectoma pode preservar cérebros para um tempo futuro, quando os carregamentos são possíveis; a empresa ainda não é capaz de realizar essa função.

No entanto, embora o site possa fazer com que essa realidade pareça muito mais próxima do que é, o conectoma está gerando muito interesse. Foi iniciada uma lista de espera para quando a tecnologia se tornar disponível para os cidadãos públicos, com cada vaga custando US$ 10 mil. Qualquer um que se comprometa com isso também terá que ser submetido à eutanásia; os cérebros devem ser preservados o mais rápido possível após a morte para evitar sua degradação. Por essa razão, os próximos testes para o conectoma envolvem pacientes terminais.

A empresa acredita que ficará dentro da lei, onde o suicídio assistido por médicos é legal, como na Califórnia. Como o procedimento é “100% fatal”, pode haver problemas para aqueles que não são terminais ou que estão em outras partes do mundo. As questões legais são tão intrigantes quanto as questões científicas e filosóficas que cercam o conectoma.

Fonte:

https://www.technologyreview.com/s/610456/a-startup-is-pitching-a-mind-uploading-service-that-is-100-percent-fatal/

https://www.bloomberg.com/view/articles/2018-03-19/use-your-brain-artificial-intelligence-isn-t-close-to-replacing-it

https://techcrunch.com/2018/03/13/nectome/

https://www.digitaltrends.com/cool-tech/nectome-brain-embalm-mind-uploading/

Registrar-se
O Fator Google-Foundem Pontuações de crédito social na China: abrindo portas trancadas